Os 3 conselhos de Pedro Barata, Gestor de Carteiras Sénior da GNBGA

Nesta nova rubrica convidamos alguns dos mais reputados especialistas em investimentos financeiros a partilharem consigo três conselhos sobre poupança e investimentos. O nosso 1º convidado é Pedro Barata, gestor de carteiras sénior da GNBGA e também autor do livro sobre finanças pessoais: “Como fazer crescer o seu dinheiro ao longo da vida”. Não perca tempo, Simplesmente Invista!

Perfil LinkedIn: Pedro Barata

Se o começo de um novo ano sempre foi uma boa altura para analisarmos o estado das nossas finanças, definirmos novos objectivos e iniciarmos ou reforçarmos uma poupança, o ano 2020 veio tornar esta boa pratica, uma prioridade. A crise pandémica que nos afectou a todos, veio mostrar que aqueles que tinham uma poupança constituída foram os que melhor resistiram ao impacto da crise. A segurança e a estabilidade de saber que há uma reserva financeira à qual é possível recorrer, constituem um conforto não só financeiro, mas também emocional.

A decisão de iniciar ou reforçar uma poupança passa, muitas vezes, por alterar alguns hábitos de consumo que podem estar muito enraizados não sendo, por isso, fácil alterá-los. O acto de consumir pode ter uma componente emocional que é difícil quebrar. A ideia, de não consumir agora para poupar para um futuro longínquo, é ainda um conceito estranho para muitas pessoas. Por isso, iniciar uma poupança, mantê-la e alimentá-la ao longo do tempo, é sempre desafiante.

No entanto, tenho para mim que os meses de confinamento, a promessa ainda frustrada da abertura das nossas vidas e a incerteza sobre os próximos tempos, nos trouxe uma racionalidade acrescida à tomada de decisão sobre o consumo. Não tenho dúvida que a forma como todos, em geral, fomos confrontados com o inesperado, vai tornar mais clara a necessidade de termos assegurada, a parte que podermos do nosso futuro. Existe hoje, uma maior consciência sobre a relevância de tomarmos nas nossas mãos o futuro das nossas finanças e não delegarmos, exclusivamente noutros, esse papel.

Uma vez tomada a decisão de iniciar este caminho, todo o processo começa por definir a sua finalidade, o quanto queremos poupar e como o vamos fazer, ou seja, decidir qual o nosso objectivo e quantificá-lo. Os objectivos devem ser claros, mensuráveis, realistas e ter uma duração temporal. Depois, temos que definir uma estratégia de investimento para essa poupança. Temos que ser disciplinados na sua execução e dar tempo para que os resultados apareçam. Muitas vezes, é na indisciplina na execução da estratégia e na impaciência na busca de resultados, que tudo se perde. Os melhores investidores, não são necessariamente os mais inteligentes, mas sim os mais disciplinados.

Para tantos que iniciam agora, ou estão já no seu percurso de fazer crescer o seu dinheiro ao longo da vida, deixo três ideias que devemos ter presente, na forma como nos relacionamos com as nossas poupanças:

1)  Não poupe o que sobra depois de gastar, mas gaste o que sobra depois de poupar. Se só pudesse dar um conselho a alguém sobre como poupar, esta ideia repetida inúmeras vezes por Warren Buffett e pelos seus seguidores, seria a minha escolhida. Automatize a poupança de forma a que nem veja esse valor na sua conta corrente. Desta forma, não tem tentações e paga-se a si próprio em primeiro lugar.

2)  Poupe no que é supérfluo, mas deixe sempre uma margem para uma extravagância ocasional. Uma disciplina de poupança demasiado rígida, leva muitas vezes ao fracasso e à desistência. Eliminar isso, é dificultar imenso a concretização da disciplina da poupança.

3)  Sempre que for aumentado canalize parte desse valor para aumentar a percentagem da sua poupança regular. Desta forma, consegue incrementar o valor mensal da sua poupança, sem sentir perdas no rendimento disponível.

Convém sublinhar que tão importante como poupar, é definir a forma como fazemos o investimento dessa poupança. Invista segundo o seu ciclo de vida. Uma alocação correcta dos activos ao longo da vida é muito importante para a evolução do valor da poupança. Ao mesmo tempo, reinvista sempre os rendimentos obtidos. A capitalização desses rendimentos é também, sem sombra de dúvida, uma mais valia relevante no incremento da sua poupança.

Por último, salientava a importância de entender os produtos onde investe o seu dinheiro. Não é necessário ser um financeiro para investir com sucesso, mas deve tentar perceber o máximo sobre o produto em que investe. Deve também ter um entendimento mínimo sobre o funcionamento do mercado de capitais, por forma a conseguir perceber a sua dinâmica, não entrando em pânico nos momentos menos bons, nem em optimismos exagerados em momentos de euforia. Não tenha receio de perguntar quando tem dúvidas ou não entende esses movimentos do mercado. Recorra a especialistas sempre que achar necessário. São eles os profissionais e, por isso, os mais preparados para o aconselhar e suportar na tomada de decisão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *